Quem sou eu? O que faço

Minha foto
João Pessoa, Paraíba, Brazil
Quem sou? O que faço. Sou Maria de Lourdes, tenho, agora, 62 anos, esposa, mãe e avó, formação jurídica, com pós graduação em Direitos Humanos e Direito Processual Civil, além de um curso não concluído de Filosofia. Conheci os clássicos muito cedo, pois não tinha permissão para brincar na rua. Nosso universo – meu e de meus irmãos – era invadido, diariamente, por mestres da literatura universal, por nossos grandes autores, por contistas da literatura infanto-juvenil, revistas de informação como Seleções e/ou os populares gibis. Todos válidos para alimentar nossa sede de conhecimento. Gosto de conversar, ler, trabalhar, ouvir música, dançar. Adoro rir, ter amigos e amar. No trabalho me realizo à medida que consigo estabelecer a verdade, desconstruir a mentira, fazer valer direitos quando a injustiça parece ser a regra. Tenho a pretensão de informar, conversar, brincar com as palavras e os fatos que possam ser descritos ou comentados sob uma visão diferente. Venham comigo, embarquem nessa viagem que promete ser, a um só tempo, séria e divertida; suave e densa; clássica e atual. Somente me acompanhando você poderá exercer seu direito à críticas. Conto com sua atenção.

terça-feira, 22 de janeiro de 2013

POSSE DE BARACK OBAMA


O Filho do Estudante Estrangeiro.



Retorna oficialmente à casa Branca o Democrata BARACK HUSSEIN OBAMA II - popularmente Barack Obama, 44º Presidente dos Estados Unidos. Assume após ter feito o juramento oficial no Domingo, no salão azul da residência presidencial, fazendo o seu juramento colocando a mão esquerda sobre a Bíblia do casal e sob o olhar aguçado de sua mulher Michelle, suas filhas Malia e Sasha, na presença do juiz da Suprema Corte, John Roberts e, um seleto grupo de autoridades.



Hoje, 21 de Janeiro, dia em que os americanos reverenciam e homenageiam o líder Martin Luther King Jr., Obama foi empossado publicamente, na capital Washington,  frente ao Capitólio,  com a presença  aproximada de 800 mil pessoas. Contando com o comparecimento efetivo e o apoio de aliados do porte dos ex-Presidentes Bill Clinton e sua mulher Hillary, atual secretária de Estado e Jimmy Carter. A cerimônia de posse,  não apresentou a pompa e circunstância da primeira - o primeiro negro eleito presidente, a proposta renovadora e revolucionária, a dúvida sobre a influência de sua origem entre outras. O juramento público foi feito sob duas Bíblias, uma pertencente ao homenageado do dia, Martin Luther King Jr. e outra que pertenceu ao ex Presidente Abraham Lincoln, ícones do povo americano.


Compareceram ao ato, não só a direção dos Democratas, ex–Presidentes, políticos, membros do partido rival o Republicano, personagens importantíssimas da atualidade, artistas, entre esses Katy Perry e John Mayer, Beyoncé e Kelly Clarkson, Eva Langoria e outros.  O vice- presidente, Joe Biden, de setenta anos,  que  solenemente, ante a Juíza Sônia Sotomayor, da Suprema Corte, jurou fidelidade à Constituição, sendo aplaudido de pé pelo Presidente já empossado.


Barack Obama, considerado por muitos o mais desafiado Presidente Norte Americano, inicia seu segundo mandato com problemas externos e internos dignos de uma ininterrupta maratona na busca de soluções, nem sempre possíveis. São imensuráveis os problemas que se avolumam á espera do novo Governo. O abismo fiscal, o déficit no orçamente e a crise econômica que se abate sobre os Estados Unidos; a visão peculiar em relação a saúde e as minorias, inclusive no aspecto do exercício da sexualidade sem comprometimento do exercício da cidadania; a confusa interpretação de grande parte dos americanos em relação à aquisição de armas;  a problemática da imigração e o apoio recebido dos imigrantes; a questão ambiental; as divergência no terreno dos Direitos Humanos e, inclusive,  a atual política energética.  


No terreno internacional, os conflitos com a intervenção militar Americana despontam como um sério gargalo e que exigirá do Presidente saídas inteligentes, que preservem o poder dos Estados Unidos e, ao mesmo tempo, possam sofrer diminuição no contingente humano e no aspecto financeiro; ainda, manter a estrutura fundamental da Nação Americana numa realidade desgastada e que não beneficia os países desenvolvidos de modo a  sustentar as chamadas despesas públicas no patamar atual; a redução das políticas de ajuda a povos em desenvolvimento; a falta de estabilidade no Oriente Médio; as  complexas relações com a Rússia e a China, além da inamistosa situação com o Irã, entre outros. 


Muito se falou e esperou de Obama no sentido de que esse pudesse não só sonhar, mas, e efetivamente, mudar a história do americano pobre, do  estrangeiro e de seus descendentes, bem como preservar a nação como a mais poderosa de todos os tempos. Em seu discurso de posse, o Presidente reeleito ,  apela e provoca o orgulho americano: Essa geração de americanos vem sendo testada por crises que têm exigido nossas decisões e provado nossa resiliência..." . "Nós sempre compreendemos que, quando os tempos mudam, também nós precisamos fazê-lo. (..) Mais do que nunca, precisamos fazer essas coisas como nação e como um povo. (...) Nós somos feitos para este momento. 

Também, 


"Os Estados Unidos seguirão sendo a âncora de fortes alianças em todos os cantos do planeta, e nós renovaremos essas instituições para ampliar nossa capacidade para lidar com crises no exterior, pois ninguém tem maior parcela em um mundo justo que sua mais poderosa nação", disse o presidente reeleito. 

"O que nos torna excepcionais - o que nos torna americanos - é a devoção a uma ideia, articulada na declaração feita há mais de dois século: 'Nós tomamos estas verdades como auto-evidentes, que todos os homens são criados iguais, que eles são empossados por seu Criador com certos direitos inalienáveis, entre os quais estão a Vida, a Liberdade, e a busca por Liberdade.'" (Jornal do Brasil 21/01/2013).

Para o Brasil a recondução de Obama a presidência dos Estados Unidos, indica a manutenção das relação inter-países respingando sobre o comércio, a indústria, setores da sociedade civil, cidadãos, turismo, intercâmbio cultural, nada de novo, nada de muito promissor ou revolucionário. 



Enfim reeleito e empossado, após uma campanha nervosa e por vezes agressiva, onde esteve, em algumas pesquisas, empatado com seu rival Mitt Romney, candidato Republicano, Obama apesar de se mostrar com uma popularidade abaixo da inicial - demonstrada na campanha anterior - foi, conforme divulgado  pela BBC, em pesquisa anterior à votação, como "melhor liderança por 20 de 21 países pesquisados, incluindo o Brasil". (g1.globo.com/mundo).


Pois é, mais quatro anos para um jovem arrojado, sonhador que se tornou o primeiro presidente negro eleito  nos Estados Unidos. Confirma, com isso o slogan :"Yes We Can" ("Sim Nós Podemos"). Boa Sorte a Obama, que ele consiga, realmente, cumprir suas metas como governante, protegendo, efetivamente, "o progresso conquistado".




quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

ANIVERSÁRIO


BLOG TAMBÉM ANIVERSARIA!



HOJE é festa. Festa para comemorar o ano que passou. Não o comercial, tampouco o letivo, menos ainda, o funcional. O ano a que me refiro é aquele de uma convivência, muitas vezes, sob a aparência de monólogo. Exceto pelo fato de não se ouvir vozes, mas, com algo bem mais comprometedor: a palavra escrita. Aquela que é difícil esquecer e que, mesmo se apagada, deixa seu rastro por onde passou.




Neste blog viaja-se através de temas atuais, datas comemorativas, Mitologia, Filosofia, Psicologia, Educação, História, Literatura, Direito, Religião. Pois é, no decorrer desse ano foram muitas as viagens, incluindo à Grécia antiga, Roma, as cidades nórdicas mitológicas, a Índia e o Taj Mahal. Igualmente foram observadas as mais belas jóias, os mais caros diamantes, os perfumes que encantam o mundo, mulheres que mudaram a História, a Realeza Britânica... A título de referência, personagens ilustres tais como Paulo Freire, Nietzsche, Freud, Rosa Luxemburgo, Chanel, Madre Tereza de Calcutá, Clarice Lispector e muitos outros. 



Ainda há muito a ser dito. Mas, como falei a início, este momento é de comemorações. O Blog começou quase que por acaso. As amigas sussurrando sobre tornar-me blogueira, a nora, a filha, o genro, todos incentivando. Até que, em 17 de janeiro, há um ano, coloquei no ar "A Espada de Dâmocles"! Com nome e conotação totalmente direcionados. Nos lembrar que estamos sempre por um fio. Foi um bom ano, como diz a música de Roberto Carlos, “se chorei ou se sorri, o importante é que emoções eu vivi.”

Mas, como sou pretensiosa trago para vocês:


A sabedoria de 

                                                           MAHATMA GANDHI

“Se eu pudesse deixar algum presente a você, deixaria aceso o sentimento de amar a vida dos seres humanos. A consciência de aprender tudo o que foi ensinado pelo tempo afora. Lembraria os erros que foram cometidos para que não mais se repetissem. A capacidade de escolher novos rumos. Deixaria para você, se pudesse, o respeito àquilo que é indispensável. Além do pão, o trabalho. Além do trabalho, a ação. E, quando tudo mais faltasse, um segredo: o de buscar no interior de si mesmo a resposta e a força para encontrar a saída.”

A sensibilidade de


“Não sei se a vida é curta ou longa para nós, mas sei que nada do que vivemos tem sentido, se não tocarmos o coração das pessoas.
Muitas vezes basta ser: colo que acolhe, braço que envolve, palavra que conforta, silêncio que respeita, alegria que contagia, lágrima que corre, olhar que acaricia, desejo que sacia, amor que promove.
E isso não é coisa de outro mundo, é o que dá sentido à vida. É o que faz com que ela não seja nem curta, nem longa demais, mas que seja intensa, verdadeira, pura enquanto durar. Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina.”

A licença poética de

                                                ANTOINE DE SAINT-EXUPERY

“É isso que faz a beleza do deserto: saber que existe um oásis e que estamos caminhando em sua direção.”

A música em forma de Poesia:


As rosas não falam.Bate outra vez
Com esperanças o meu coração
Pois já vai terminando o verão,
Enfim

Volto ao jardim
Com a certeza que devo chorar
Pois bem sei que não queres voltar
Para mim

Queixo-me às rosas,
Mas que bobagem
As rosas não falam
Simplesmente as rosas exalam
O perfume que roubam de ti, ai

Devias vir
Para ver os meus olhos tristonhos
E, quem sabe, sonhavas meus sonhos
Por fim

A música em forma de 
VIAGEM 



Oh tristeza, me desculpe
Estou de malas prontas
Hoje a poesia veio ao meu encontro
Já raiou o dia, vamos viajar.

Vamos indo de carona
Na garupa leve do vento macio
Que vem caminhando
Desde muito longe, lá do fi do mar.

Vamos visitar a estrela da manhã raiada
Que pensei perdida pela madrugada
Mas vai escondida
Querendo brincar.

Senta nesta nuvem clara
Minha poesia, anda, se prepara
Traz uma cantiga
Vamos espalhando música no ar

Olha quantas aves brancas
Minha poesia, dançam nossa valsa
Pelo céu que um dia
Fez todo bordado de raios de sol.

Oh poesia, me ajude
Vou colher avencas, lírios, rosas dálias
Pelos campos verdes
Que você batiza de jardins-do-céu

Mas pode ficar tranqüila, minha poesia
Pois nós voltaremos numa estrela-guia
Num clarão de lua quando serenar.

Ou talvez até, quem sabe
Nós só voltaremos no cavalo baio
O alazão da noite
Cujo o nome é raio, é raio de luar.

GENTE, OBRIGADA PELA ATENÇÃO.


segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

PATRIMÔNIO LITERÁRIO

LIVROS  e  REVISTAS.



O meu perfil já registra que “conheci os clássicos muito cedo, pois não tinha permissão para brincar na rua. Nosso universo – meu e de meus irmãos – era invadido, diariamente, por mestres da literatura universal; por nossos grandes autores; por contistas da literatura infanto-juvenil, revistas de conteúdo variado como Seleções, Planeta, Cláudia, Manchete, e/ou os populares cordéis, gibis e almanaques... Todos válidos para alimentar nossa sede de conhecimentos.


Essa ânsia por literatura foi alimentada, durante todo o nosso desenvolvimento, por duas pessoas: a primeira foi a nossa Mãe, professora e defensora da necessidade de capacitação dos filhos para que não se tornassem apenas sobreviventes e sim, pessoas com qualidade de vida. A segunda pessoa foi o nosso Pai. Homem simples, que iniciou sua vida como agricultor, mas que assumiu um compromisso consigo de fazer seus filhos e filhas independentes. Sempre a nos dizer que as filhas necessitavam, mais que os homens, tornarem-se autossuficientes.  Dessa forma não se  sentiriam, jamais, obrigadas a permanecer num casamento infeliz. O amor, o zelo deles em relação a nós não conheceu limites.


Nesse maravilhoso caminho entre os livros, iniciamos muito cedo o contato com os clássicos. Havia, em nossa casa, uma coleção de 40 (quarenta) volumes, com encadernação imitando couro, e gravação com letras douradas, chamada “Clássicos Jackson”, lendo-a conheci: Tolstoi com Anna Karenina e Guerra e Paz; Dostoiévski com Os irmãos Karamazov e Crime e Castigo;  Steinbeck com Vinhas da Ira;  D H. Lawrence com O Amante de Lady Chatterly; Balzac com A mulher de Trinta;  Émile Zola com Germinal;  Victor Hugo com  Os Miseráveis; Flauber com Madame Bovary; também,  As Catilináriasdiscursos de Cícero, feitos no Senado Romano para denunciar Catilina e que era rotineiramente  emprestado, principalmente a políticos de nossa cidade. Havia ainda muitos outros autores universais completando a coleção e que também foram lidos por nós.


Tínhamos a nosso dispor uma Coleção de Érico Veríssimo que nos fazia sonhar com as tramas de romances como “Olhai os Lírios do Campo; O Continente;  Saga; O tempo e o Vento; Um lugar ao Sol; Incidente em Antares. Nesse universo lembranças recorrentes como o Capitão Rodrigo que tomou vida própria saindo do “Continente” e povoando a imaginação de muitos leitores; do mesmo modo, Ana Terra que dá origem a família Terra e integra o primeiro volume da triologia “o Tempo e o Vento”. Com o escritor Gaúcho saíamos de nossa pacata cidade do interior para vivermos maravilhosas aventuras nos Pampas.


Do sul voltamos para o Nordeste. Jorge Amado era o nosso preferido. Coleção completa. Desde o País do Carnaval - primeiro romance -,  até Tereza Batista Cansada de Guerra. Para nós as aventura de meninos e meninas livres como retratados em Capitães da Areia ou mesmo, o romance de Gumercindo – Guma e Lívia -, em Mar Morto; ou, ainda, a pimenta de Dona Flor e Seus Dois Maridos, com direito a mais condimento, em Gabriela Cravo e Canela, abriu um porta para novos conhecimento sobre uma cultura desconhecida - a baiana. 



O mundo de Jorge Amado, a linguagem picante, as religiões Afro, os costumes diferentes  e  ali desvendados, aguçavam a natural curiosidade que todo adolescente tem a respeito de sexo e vida adulta. A mistura de personalidades boêmias, carolas, mães de santos, capoeiras, coronéis, prostitutas e bordéis, era algo a ser visitado na obra do escritor e, comentado baixinho, em sussurros.  Há, entretanto, uma doce ressalva a ser feita nessa linha focada pelo autor: “O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá”, livro infantil, escrito em 1948, numa homenagem do escritor ao seu filho mais velho, João Jorge nascido naquele ano. Foi publicado em 1952.


Desfrutávamos, também, da companhia de Zé Lins do Rego com O Menino de engenho, Doidinho, Bangüê, Usina, Pureza, Riacho Doce, Fogo Morto, Eurídice, Cangaceiros. Representando uma literatura regional, o escritor, Flamenguista convicto, criou tipos fantásticos como “Carlinhos”, o Coronel José Paulino, o Moleque Ricardo, o Tio Carlos, Capitão Vitorino – o papa rabo, o Coronel Lula de Holanda, o Mestre José Amaro, entre outras. Conhecer o universo dos engenhos, as brincadeiras, a liberdade e a exacerbada sexualidade dos garotos, oferecia a oportunidade de uma viagem a um “mundo” muito perto e ao mesmo tempo inatingível. Com certeza, todos os meninos que leram algum desses livros sonharam ter, pelo menos um dia de Carlinhos.


E a literatura infantil? Ah, essa tinha legítimos representantes. A nossa leitura nessa fatia literária contou com Contos de Andersen, em destaque: O Patinho Feio, O Soldadinho de Chumbo, A Pequena Sereia, A Roupa Nova do Rei. Também tínhamos a Coleção dos Irmãos Grimm com as histórias de Branca de Neve, Cinderela, João e Maria, O Flautista de Hamelin, Rapunzel, Chapeuzinho Vermelho, A Bela Adormecida e outras. E como obras soltas Robin Hood, Robson Crusoé, A caça ao Tesouro, Alice no País das Maravilhas e As Viagens de Gulliver,  com os maravilhosos anões liliputianos.



Ainda tem um lugar especial em minha memória a Coleção Mundo da Criança  - lançada pela Editora Delta, na década de cinquenta, com 15 (quinze) volumes.  Nessa destaco o volume de nº 3, com história maravilhosas como Pedro e o Lobo,  João e o Pé de Feijão, A Princesa e a Ervilha...o volume de nº 2 (dois) trazia, em forma de poesia, relatos tão fantasiosos quanto bonitos onde O Salteador das Estrada, A Princesa Menina (Doliti Diliti Dina),  O Roxinol e o Imperador e, Taturana - a bruxa rainha da festa, arrancaram suspiros e emoções.


Entre os brasileiros que também escreveram para o público infanto-juvenil,  Mestre Monteiro Lobato com seu Sítio do Pica Pau Amarelo, Reinações de Narizinho, Aventuras, Histórias de Tia "Nastacia" , entre outras, fizeram melhores os nossos dias e mais ricas a nossa imaginação. Alguns personagens criados por Lobato  atravessaram gerações como é o caso de Emília, Pedrinho, Narizinho, o Visconde de Sabugosa, a Cuca, Dona Benta e Tia "Nastacia" e o sempre presente Saci Pererê. Era aventura com direito a sonhar acordada.


Não seria justo, deixar da atribuir crédito às revistas. A minha primeira lembrança vai para Seleções do Reader’s Digest que tinha um formato menor que as revistas atuais, primava pela excelência dos artigos, buscava personalidades marcantes, a diversidade nas matérias e a inclusão do humor, o que a tornava ímpar. Por toda a adolescência e faculdade pudemos contar com esse auxílio qualitativo à nossa formação enquanto leitores. 


Também, convivemos desde cedo com as Revistas  Manchete – criada por Adolpho Bloch da  Bloch Editores e, O Cruzeiro, fundada por Carlos Malheiros Dias e publicada pelos Diários Associados de Assis Chateaubriand (Fonte – Wikipédia –a enciclopédia livre), nessa revista, esperava-se, sempre pelo   impagável “amigo da Onça”, numa imortal criação do Pernambucano Péricles, cuja sátira, inteligentemente conduzida, tornou-o um dos mais conhecidos cartunistas brasileiro. A Revista foi, sem dúvida nenhuma e por muito tempo a mais importante publicação brasileira do gênero. 


Lembro, também da Revista Planeta, mais ou menos nos idos de 1973 e que se propunha a fazer algo diferente. Tratar de assuntos como parapsicologia, ufologia, esoterismo, meio ambiente entre outros, tornando-se, por isso mesmo, motivo de muita controvérsia. Uma dessas situações eclodiu com a reportagem publicada na Revista Planeta, número 138-C, em março de 84, reeditando uma acirrada discussão entre defensores de uma pseudo aparição de um disco voador sobrevoando a pedra da Gávea e aqueles para quem a aparição era apenas fraude. Com toda a certeza a polêmica aumentou a tiragem da revista e atiçou os leitores.


E os Gibis? Em múltiplas publicações, davam vida e movimento a heróis  para todos os leitores do gênero. Assim, líamos os de faroeste com Kit Carson; Bill Kid; Tex; O Zorro - aquele co Silver e o índio Tonto; Durango Kid;  Wyahtt Earp;  Cheyenne; Nevada; Buck Jones. Gostávamos, também, dos chamados heróis das selvas como Tarzan - com Jane , Boy e shita;  O Fantasma que Anda, com Diana, Capeto, Heroi e os pigmeus; Jim das Selvas; Sheena a Rainha das Selvas; Ninotckhka a Rainha das Selvas, vivida no cinema por Greta Garbo. Entre os herois, aqueles de capa e espada como o Zorro de Don Diego de La Vega, o Príncipe Valente. Os heróis moradores de grandes cidades como  Mandrake e sua noiva a Princesa Narda e o inseparável  guarda costas, Lothar.  O Super homem, extra terrestre constantemente em conflito por não poder se revelar a sua amada Louis lane .


Uma turma de garotos também encantou aos de nossa época. Falo da Turma da Luluzinha e da Revista do Bolinha. Com a interminável ciumeira que Lulu sentia de Glória, na disputa por Bolinha. Plínio Raposo, era o rival de Bolinha no amor de Glória e sempre armava ciladas para mostrá-lo como "atrapalhado", tudo no meio das aventuras de Juca, Aninha, Carequinha e os adultos que faziam os pais e vizinhos dos meninos.  As publicações brasileiras da Disney, através da Editora Abril eram excelentes e uma constante, assim leituras de revistas do Pato Donald, Zé Carioca, Mickey, Tio Patinhas e, mais recentemente, sem nada dever as "estrangeiras", as nacionais criadas e produzidas por Maurício de Sousa, com os quadrinhos da Turma da Mônica, Chico Bento, Cebolinha e outros.


Não podemos esquecer o mais fiel representante literário do Nordeste . Não de suas capitais, onde convivem em perfeita harmonia livros menos cobiçados  e publicações intelectuais destinadas a um público sofisticado, elitizado. Refiro-me aos cordéis, de que tomamos conhecimento através de nosso tio Luís, afeito as coisas da zona rural e que, ele mesmo, parecia, por sua simplicidade e gestos rudes, uma pessoa saída de um daqueles folhetos. Uma literatura que utiliza linguagem simples e histórias aparentemente singelas. Sem o formato utilizados por editoras o cordel passa de geração a geração  personagens "modelos de experiência", para orientá-los , aparentemente sem nenhum roteiro previamente definido.



Quase sempre tendendo a fantasia por fantasia, o cordel não tem outro compromisso senão estabelecer uma forma de comunicação que preserve valores ligados à comunidade. Inclusive, não subestima  clichês que funcionam até mesmo sem que seus autores tenham consciência de tal fato. Alguns ultrapassaram as barreiras nordestinas, como o Romance do Pavão Misterioso; Pedro Malazarte; João Grilo; A Chegada de Lampião no inferno; A história de Lampião e o Cordel Encantado - inspirado na Pedra do Reino, do Grande Paraibano Ariano Suassuna.


Inclusive, para não cometer injustiças, alguns romances ditos de inspiração espírita como  O Morro dos Ventos Uivantes, o Conde de Monte Cristo, Sangue de Tigre, A Caravana Verde,  Éramos Seis e outros, nos fascinava e dava medo. A curiosidade sempre vencia, embora lado a lado com o desconhecido e a insônia resultante.



Não fosse cansar a paciência de meus “quase... cinco leitores”, falaria, da Coleção das Moças, romances, comprados para o deleite de minha mãe e lidos ás escondidas, com personagens lindas e cuja escritora ou escritor M. Dely era a mais lida.  Os livros de bolso, coleções que encantaram as moças entre as décadas de setenta e oitenta, como Sabrina, Barbara Cartland,  Corin Tellado,  Carlos Santander, Bianca, Júlia e outras,  continham um forte apelo erótico e descrições que incentivavam a imaginação, mas esta é outra fase quando já começávamos a ver o mundo como ele é. Quem sabe, num outro momento... Antes porém deixo meu testemunho de que cada uma das formas de literatura aqui citada contribuiu para que eu me tornasse uma adulta com uma visão mais aberta aos mundo, a vida. 

domingo, 6 de janeiro de 2013

A INDIVIDUALIDADE DOS SONHOS

UMA VISÃO PESSOAL.



Sonhar é abrir-se a possibilidades. É viajar sem os percalços naturais às viagens. É potencializar desejos e eliminar distâncias. Sonhar permite alterar convenções, realizar as impossibilidades, galgar instâncias sequer imaginadas. Se é sonho, voe alto, busque as repetidas limitações impostas pela pequenez dos que não sonham, ouse, realize. 

Os sonhos podem ser involuntários, Aqueles que nos invadem quando dormimos. Sua importância para o dia dia, para a saúde mental, para nossa psiqué é imensa e, objeto de estudos,  teses, teorias, obras e outros.  Segundo Freud " O sonho é a estrada real que conduz ao inconsciente".


Conforme Nestor Vaz, integrante da escola de psicanálise Letra Freudiana,  em artigo publicado aos 21 de julho de 2012, Globo Ciência, "os sonhos têm a função de manter o sono, e começam quando a pessoa está prestes a despertar. Como o sonho tem a ver com a vida inconsciente, segundo os conceitos da psicanálise freudiana, é durante o sono que ela se manifesta. Freud, por meio de suas interpretações, defendeu essa teoria, indo de encontro ao que pregava a ciência, para quem os sonhos eram tidos como o lixo do pensamento."


Asim e apesar da importância dos sonhos, quando se está acolhido nos braços de Morfeu,  não é esse o propósito desse texto. Como também o  foco proposto não será aquele "sonhar acordado", situação definida e rotulada, pelo sempre recorrente Freud como "característica infantil e neurótica" e, por estudiosos, inclusive, Neurocientistas no passado, como "falha da disciplina mental, ou pior".  

Esses sonhos foram resgatados no presente uma vez que pesquisadores descobriram virtudes no sonhar acordado e que tais sonhos podem ser bastante comum e úteis. Defendem essa teoria pesquisadores como, Jonathan Schooler e Jonathan Smallwood, da Universidade da Califórnia, em Santa Barbara; Eric Klinger - Psicólogo da Universidade de Minnesota e outros.Cientistas descobrem virtudes de 'sonhar acordado' - Publicado em 05 de julho de 2010 - Terra - Ciência.



Os sonhos a que nos referimos são aqueles que invadem a nossa alma - não são pueris ou devaneios e,  tornam-se metas em nossas vidas. Muitos sonham em ter carro, roupas, casa, apartamento de luxo e se dedicam a amealhar dinheiro para tal, independentemente de quantos ou o quê necessite deixar para trás na materialização de seu sonho.



Alguns sonham com fama, reconhecimento público e financeiro. Nesse aspecto muitas vezes são encontrados pessoas com dons artísticos, culturais,  profissionais de outras áreas, mas aos quais a possibilidade de tornarem-se medalhões em seu campo de ação tornam-se objetivos veementemente perseguidos.


Outros sonham em tornarem-se pessoas dedicadas a servir aos seus semelhantes. Assim, muitos deixam suas casas, suas famílias, suas cidades e até mesmo seus países de origem  e transformam-se em sacerdotes, freiras, missionários, voluntários de todas as profissões, realizando-se no ato de doarem-se.


Há os que sonham com coisas mais rotineiras. Cuidar de suas famílias, seus filhos e vê-los aptos a realizarem-se pessoal e profissionalmente. Sonho comum e que pode exigir dos "sonhadores" esforços sobre-humano, principalmente se considerarmos as desigualdades sociais no Brasil. Para a grande maioria dos habitantes da Zona Rural no nordeste brasileiro e em outra regiões, onde há, historicamente, famílias numerosas, salários baixos e raridade de bons administradores públicos é realmente sonhar alto a  capacitação, a Universidade, a realização das potencialidades dos filhos.


E os casais? O seu sonho pode ser o dele. O sonho dele pode ser o seu. MAS, O SEU SONHO NÃO TEM QUE SER O SONHO DO SEU AMADO E VICE VERSA. O casal pode sonhar junto. Mais que uma coincidência tal acontecimento é a certeza de que um completa o desejo do outro e um representa para o outro a convivência/parceria que não deseja perder.


E os sonho pessoais, individuais e intransferíveis. Aqueles que existem lá no cantinho do coração, que alimentam o dia a dia enchendo as pessoas de esperanças e motivações. Estes, por vezes resultam em impasses de embaraçadas soluções.

Muitos iniciam com sonhos comuns. Crescer juntos, viajar, ter filhos, casa própria. A medida que o tempo vai passando os sonhos podem mudar. Gerir as diferentes aspirações pode ter como consequência privações, frustrações e retardamentos. O sonho de um é poder, finalmente, fazer aquela viagem a cidades históricas, enquanto o outro não quer, sequer, ouvir falar em tal coisa. Um, só espera a aposentadoria para poder realizar seu sonho de viver onde não tenha compromissos com hora, obrigações com familiares e coisas que, sob sua ótica, dificultam a relação"; o outro quer poder dedicar mais tempo a si mesmo, passear com seu companheiro e resgatar laços familiares, afinal, passou a vida toda correndo de um lado para o outro sem tempo para si e para os seus.


Acreditem, são muitos os aspectos que ameaçam os sonhos. O excesso de ambição de um, a apatia, a ausência de projetos do outro ou mesmo a existência de um plano incompatível com os desejos do outro; as pressões familiares e sociais que cercam as pessoas; a ausência de diálogos e a temível oração do eu sozinho: eu quero, eu decido, eu faço, simbolizando: você não conta, não tem vontade, só acompanha.


Encontrar o equilíbrio passa pelo respeito ao sonho alheio. Passa também pela não desistência do seu. É estar diligente,  cuidadoso consigo e com "sua cara metade". Se respeitar e respeitar os demais. Principalmente, acumule  ânimo, coragem, para seus sonhos, agindo com serenidade de modo a possibilitar concessões em prol de objetivos, de modo que o sonho e a realidade possam acontecer harmonicamente. 


SONHE, PLANEJE, VIVA!